PAI

A paternidade de Deus nos traz segurança.

Deus é Pai. Simples, mas tão cheio de significado e profundidade. Compreender a grandeza desta afirmação é reconhecer que somos Seus filhos amados e podemos chamá-lo de Aba, Pai. Para muitos enxergar o Senhor como um Pai pode não ser uma tarefa tão fácil, inúmeras são as circunstâncias que limitam a forma como enxergamos a Deus, seja um pai ausente ou de dura cerviz, devemos lembrar que nossos pais terrenos são falhos, assim como nós. Mas existe Aquele que sonhou com você antes mesmo do seu nascimento, Aquele que conhece cada partícula do seu corpo, é Ele quem te chama de filho amado neste dia.

“Contudo, Senhor, Tu és o nosso Pai. Nós somos o barro; Tu és o oleiro. Todos nós somos obra das Tuas mãos.” (Isaías 64.8).

Você foi formado pelas mãos do Senhor e gerado em Seu coração. Um Deus tão grande, majestoso, poderoso e infinitas são as suas características. Este mesmo Deus é Aquele que se alegra e tem prazer quando O chamamos de Pai. Nosso entendimento é limitado e por conta disso não conseguimos compreender a dimensão e grandiosidade de tamanho amor.

“Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego da vida, e o homem se tornou um ser vivente.” (Gênesis 2.7).

Deus é Aquele que sorri quando você desperta pela manhã e Aquele que vigia o seu sono enquanto você repousa. Como não se render diante de um Deus tão amável? Nós O amamos porque Ele nos amou primeiro. O Seu amor é perfeito e lança fora todo o medo, como diz a Sua palavra em 1 João 4:18 “No amor não há medo antes o perfeito amor lança fora o medo; porque o medo envolve castigo; e quem tem medo não está aperfeiçoado no amor.”

Querido irmão, se por algum motivo você se afastou do Pai e hoje deseja voltar para Ele, não perca essa oportunidade e se renda a este amor forte como a rocha, mas suave como a brisa. Ele está de braços bem abertos te esperando.

“Pois vocês não receberam um espírito que os escravize para novamente temerem, mas receberam o Espírito que os torna filhos por adoção, por meio do qual clamamos: Aba, Pai.” (Romanos 8.15)

Juliana Reis

Jornalista do Min. de Comunicação

Share This